segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Os bons

Os cafajestes são imundamente melhores.
Inermes são alvo sempre, mas quem sabe lidar com os cafas sem mais frescurites de esperanças que ele nunca dará em relação a namoro mais do que qualquer outra cristã.
Da voz às estratégias de abate, tudo é muito interessante. E o melhor nesse aspecto é ser amiga dos cafas.
Eles traçam meios, experimentam com algumas conhecidas nossas, mudam de perfis, e, além disso, nunca têm um estereótipo fixo de quem irão abater.
Sabem sair, envolver e são muito bons de cama.
Não se importam em pular janelas, em ficar bêbados ou insistir num alvo que ainda não conseguiram. E quando conseguem, logo deixam de lado e partem para outra meta que ainda não alcançaram.
Os cafas quando se tornam ex-cafas, é porque realmente amam e mudam da água para o vinho. Sempre são mais intensos nos sentimentos. E é por isso que eu amo os cafajestes, assim como admiro muito as putas – é uma arte!


*Ouvindo "Meu Deus" - Vanessa da Mata


2 comentários:

Thiago da Hora Souza disse...

Que um cafageste é bom de vez em quando não podemos negar.

Cruela Veneno da Silva disse...

eu acho que é bom todo dia