quinta-feira, 23 de julho de 2009

No mais clichê

Cara, como é que uma pessoa pode se apaixonar em dias e afirmar que ama?
Fico cada vez mais besta com a capacidade do ser humano em falar “eu te amo”.
Sei que é clichê, mas as coisas mais ridiculamente clichês podem ser muito significativas quando são ditas em tempo e hora certa.
Mesmo sendo hedonistas ao extremo, na hora de conseguir realizar algum desejo/ fantasia não precisam pegar pesado nas afirmativas.

Não prostituam o “eu te amo” por uma genitália casual que você não vai ligar no dia seguinte.
Não humilhem o eu “eu te amo” por copos de cerveja e uma voltinha de carro/moto qualquer.
Não estuprem o “eu te amo” com amizades de bar.
Não espanquem o “eu te amo” por achismos de paixão.
“Eu te amo” são as três palavras mais lindas e clichês que eu conheço.

Desculpe se há quem discorde ou que não esteja nem aí pra isso
, mas é assim que a Genérica Paraguaia aqui pensa.


Ouvindo “Cabidela” – Mombojó

3 comentários:

A Menina e o Blog disse...

Tem meme indicado pra vc.

Bjos

Cuca disse...

Concordo plenamente com você! "Eu te amo" tem que sentir...
Linkei você no Várias Vertentes.
Volterei sempre!Bjs

ILDO disse...

OLÁ, GENÉRICA!!!

A banalização do "Eu te amo" é algo realmente assustador, mas infelizmente está cada vez mais frequente...

UM BEIJO E ATÉ MAIS!!!

(Parece muito boa essa sua nova casa.)